O DESCASO APRESNTADO POR FACULDADES E UNIVERSIDADES COM A DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

Francisco Leno Alves Sales
Graduando em Gestão Pública – UEA

“Falamos e escrevemos para expressar a vida,
comunicar o vivido, fecundar o presente, gestar o futuro.”
(Severino Barbosa e Emilia Amaral)

Resumo

Este artigo pretende tecer algumas considerações sobre o descaso que Faculdades e Universidades apresentam com a disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica. Sua relação e importância para a vida do acadêmico e por que este descaso vem acarretando tanta discussão entre os universitários.

Palavras-chave: Faculdades e Universidades, Metodologia da Pesquisa Científica, Descaso e Importância.

Introdução

A palavra escrita exerce função especial e relevante em várias atividades humanas, principalmente na vida acadêmica, e esta vida norteará suas realizações.
Nos últimos anos, às praticas de ensino tradicional, que buscam desenvolver o pensamento crítico-reflexivo dos acadêmicos, permitindo, através de uma visão geral de mundo, detectar os problemas e ao mesmo tempo, favorecer ferramentas capazes de originar medidas que ajudem a solucioná-los, vêem-se diante de muitas dificuldades para cumprir essas exigências.
Por tais razões este artigo aborda o descaso demonstrado por algumas faculdades e universidades com relação à disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica e sua importância como ferramenta fundamental para o desenvolvimento de produções científicas desenvolvidas pelos acadêmicos que ingressam nas universidades e que acabam não sendo estimulados a desenvolverem trabalhos científicos de forma adequada.

Referencial Teórico

Diante do exposto na introdução é de sua importância questionarmos: de que maneira a disciplina de Metodologia da Pesquisa Cientifica pode e deve ajudar na formação do acadêmico a superar os obstáculos que surgirão no decorrer dos seus anos de graduação, pos-graduação, mestrado e doutorado?
Verifica-se, atualmente que a metodologia da pesquisa, embora considerada como uma disciplina, ainda que forma instrumental e muitas vezes complementar coloca-se na atualidade como concretamente, ao lado de outras disciplinas, na busca da ampliação do saber.
Segundo Severino (2000, p.18) a metodologia é definida como:

[…] um instrumental extremamente útil e seguro para a gestação de uma postura amadurecida frente aos problemas científicos, políticos e filosóficos que nossa educação universitária enfrenta. […] São instrumentos operacionais, sejam eles técnicos ou lógicos, mediante os quais os estudantes podem conseguir maior aprofundamento na ciência, nas artes ou na filosofia, o que, afinal, é o objetivo intrínseco do ensino e da aprendizagem universitária.

Por tais razões, tem se tornado um tema de debate entre os acadêmicos, a dificuldade encontrada na hora de redigir um trabalho acadêmico, um projeto de pesquisa. Bem como, o seu trabalho de Conclusão de Curso – TCC ou Monografia, tal dificuldade se encontra devido muitas vezes ao desinteresse ou a má formação recebida na disciplina de metodologia da pesquisa.
Esta disciplina geralmente é ministrada no primeiro período, justamente com o intuito de desenvolver nos acadêmicos os seus primeiros passos em relação à pesquisa cientifica.
Mais onde estaria acontecendo o problema? Na escolha do professor para ministrar a disciplina; no desinteresse deste profissional em relação a disciplina; ou a falta de interesse dos acadêmicos com relação a disciplina; são exemplos de questões que surgem ao tentarmos encontrar o porque.
Observa-se que este desinteresse vem causando grande problema na hora em que se cobra do acadêmico um trabalho nas referidas normas técnicas – Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT.
Podemos salientar, porem que, assim como todas as outras disciplinas merecem atenção e a escolha de um profissional adequado para ministrar a matéria, a disciplina de metodologia da pesquisa deve merecer o mesmo cuidado, ou talvez até mais.
Reconhece a importância da disciplina de metodologia da pesquisa científica, e que a mesma esta baseada na apresentação e exame de diretrizes aptas a instrumentalizar o universitário no que concerne ao estudo e ao aprendizado. Podemos perguntar então: porque a disciplina “metodologia da pesquisa científica”, em geral, não é considerada uma disciplina importante e muitas vezes, não é simpática aos acadêmicos.
Salienta Balbachevsky (1999) que:
[…] ainda que viável, a formação oferecida por estabelecimentos especializados no ensino, mesmo quando bem sucedida, vem sendo submetida à criticas importantes nos anos recentes. Boa parte dessas criticas centra-se no fato de que o ensino, dissociado da atividade de pesquisa, deixa uma lacuna na formação do aluno numa das dimensões mais fundamentais para o seu sucesso futuro: qual seja, a sua preparação para solucionar criativamente problemas, isto é, sua capacidade de reunir, selecionar e analisar dados relevantes para a solução de uma situação não usual.[…]

É de se ressaltar que esta disciplina acompanhara o acadêmico por toda a sua faze de Graduação, Pos-graduação, Mestrado e Doutorado.
Uma boa base metodológica e fundamental para todo esse processo da vida acadêmica.
Assim, pode-se entender melhor a importância da disciplina com as palavras de Ruiz (1985, p.16):

O objetivo da Metodologia da pesquisa é tomar os neo-universitários pela mão e caminhar ao seu lado, acompanhando-os em seus primeiros passos de vida universitária, indicando o caminho certo na procura do saber superior, iluminando problemas para que melhor possam vê-los a assumir e a desenvolver hábitos de estudo e técnicas de trabalho que tornem realmente produtivos os anos de vida universitária, tão preciosos e, não raro, tão mal aproveitados.

É neste momento de aprendizagem que o acadêmico necessita aprender os métodos às normas e através delas criar o hábito de utilizá-las como instrumento de técnicas, que tornem realmente produtivos os seus anos de acadêmicos.
Acredita-se que o processo de ensino-aprendizagem não esta apenas relacionado ao conteúdo, muitas vezes o conteúdo e sobre o que o professor considera com principal e mais importante, e acaba pulando muitas etapas fundamentais da disciplina.
Estas etapas serão importantes para auxiliar o acadêmico na sua formação, por isso, as estratégias de ensino são fundamentais para que ocorra uma simbiose do que é ensinado com o que é aprendido.
Sobre a situação em questão, o processo ensino-aprendizagem deve, ser visto de forma separada, onde o ensino e centrado na figura do professor, onde este profissional deve saber o que ensinar, porque ensinar e como ensinar.
Muitas vezes ocorre a definição apenas do que ensinar. E isto é insuficiente.
Por outro lado, temos o processo de aprendizagem, onde se encontra o acadêmico. A eles cabem aprender o que lhe foi ensinado. Bem como, fazer desse processo uma interação entre ele e o conhecimento que pretende adquiri.
Sobre esta temática, Masetto, ao analisar a competência pedagógica do professor universitário, afirma no seu entender, que de modo geral, até hoje a docência universitária colocou sua ênfase no processo de ensino. Por isso, a organização curricular continua fechada e estanque, as disciplinas são maximamente conteudísticas e só são oferecidas as concernentes aos assuntos técnicos e profissionalizantes dos cursos, com pouca abertura para outras áreas de conhecimento, quase nenhuma para a interdisciplinaridade ou para temas transversais, pouco incentivos à investigação científica na graduação (2003, p. 36).
Deve-se ressaltar também que a metodologia, objetiva bem mais do que leva o acadêmico a elaborar projetos, a desenvolver trabalhos de conclusão de curso ou monografia, ate mesmo artigo científico. Ela busca levar o acadêmico a comunicar-se de forma correta, inteligível, com um pensamento fundamentado, plausível e convincente, utilizando as regras estabelecidas e coerentes.
Salienta-se que um trabalho acadêmico pleno, metodologicamente correto, exige do aluno o domínio do conteúdo sob análise, trato na operacionalização do estudo e conhecimento das normas, além do saber relativo à língua culta.
O desconhecimento destes procedimentos acarreta no acadêmico um sentimento de resistência com relação às atividades propostas, que exijam deles um nível maior de comprometimento, disciplina, esforço e organização, justificando as dificuldades enfrentadas pelos docentes ao ministrar a disciplina de metodologia.
Por tais razões, deve-se valorizar mais a disciplina de metodologia da pesquisa cujo objetivo é promover o espírito científico, a partir do aprimoramento dos sensos: crítico, analítico, lógico e resolutivo, bem como fornecer os principais pressupostos para um trabalho de monografia – no que se refere às normas de estruturação, apresentação, técnicas e métodos.
Propiciar a utilização dos princípios básicos da metodologia científica, privilegiando a centralidade da relação entre teoria e realidade e os diversos métodos científicos, através do exame de alguns procedimentos demarcatórios da ciência dirigido pelos princípios da objetividade e prova; por outro, a problematização dos elementos que sustentam a validade da pesquisa científica.
Metodologicamente é a cadeira responsável por dar as boas vindas ao novo acadêmico é a Metodologia da Pesquisa Científica, ela significa o estudo dos caminhos do saber, do conhecimento científico.
Por fim, é de se ressaltar ainda que, ao se defrontarem com as dificuldades ocorridas por este mau aprendizado inicial, muitos acadêmicos acabam procurando e pagando para outra pessoa de melhor conhecimento metodológico para fazer seus trabalhos acadêmicos, bem como muitas vezes seu TCC ou Monografia.

Considerações Finais

Em análise ultima, fica evidente, que as regras e normas da ABNT parecem cercear a liberdade do acadêmico em pensar e escrever sem nenhuma exigência metodológica, faz com que a disciplina de Metodologia da Pesquisa científica nas Faculdades e Universidades raramente seja bem aceito pelos acadêmicos.
Cumpre examinarmos que fica evidente a necessidade de se repensar na inserção e importância da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica na matriz curricular acadêmica, e através deste viabilizar o objetivo principal de todas as instituições de nível superior, ou seja, estimular a construção criativa de conhecimento pelo acadêmico.
O acadêmico com uma boa base metodológica, iniciara na pesquisa, com espírito crítico e maturidade, estará construindo sua consciência social enquanto ser pensante, reflexivo, transformador, materializando seu aprendizado através de produções técnico-acadêmicas, de cunho científico.

Referências

RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo, Atlas, 1985, p.16.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. Summus editorial. São Paulo, 2003.

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s